quarta-feira, 1 de abril de 2015

Rectificação III

Finalmente, foi rectificado o desdobramento de personalidades de Pereiras no Portal do Governo. Mais vale tarde do que nunca. Não poderíamos deixar de o assinalar para a posteridade.

terça-feira, 31 de março de 2015

Conceito Nacional de Defesa

Depois da ignóbil e abjecta ofensa às Forças Armadas guineenses que consistiu no anúncio da cooptação de dois adidos militares portugueses (e seria bom que publicitassem o respectivo currículo)

[Não digo que, numa base de confraternização e, como antigos inimigos conhecedores do terreno e das tácticas mais adequadas ao cenário, se não pudessem convidar antigos combatentes portugueses reformados, para «partilhar» essa formação, mas nunca «envernizados» de carreira com pouco «sumo».]

para decisões de política e estratégia militar nacional (violando manifestamente, num domínio sensível, o espírito do Artigo 28º da Constituição da República), resta assumir que a «Reforma» das Forças Armadas continua a ser a «galinha dos ovos de ouro» do Executivo, numa espécie de «chantagem» com um «regresso ao futuro», agitando perante o exterior o espantalho de um levantamento militar: lamentável que as Forças Armadas se vejam reduzidas a simples engodo, na pesca ao «financiamento» dos parceiros. Mas a cavalo dado não se olha o dente...

No entanto, essa perspectiva parece bastante perigosa: é inconcebível que sejam outros a pensar por nós em assunto dessa importância e, no mínimo, desajeitado, apresentá-lo dessa forma degradante para a soberania nacional. Qual a razão pela qual se parte do princípio de que não existem recursos humanos à escala nacional?

Estive a ouvir as declarações prestadas à Rádio ONU pelo Presidente do Tribunal Militar. Ouvi o choradinho do costume: necessidade de formação, ausência de meios, etc. O mais importante, não é o equipamento, mas sim a capacidade de o entender: material, acaba sempre por se arranjar, o mais importante é a competência para o manusear. «A Guiné-Bissau não tem um único avião». Pois. O inimigo de 1999 também julgava que não. No entanto, de vários Migs inoperacionais, a Força Aérea guineense conseguiu montar um e colocá-lo no ar, marcando pontos decisivos em termos de moral das tropas.

É impossível falar numa «Reforma» das Forças Armadas sem uma clara visão geo-estratégica da sub-região, onde se avolumam sinais de alarme em torno da expansão de novas ameaças de segurança à soberania. É impossível descartar o «valor acrescentado» das Forças Armadas guineenses, colocando o país a soldo de inconfessáveis e inconsistentes interesses estrangeiros (como julga Portugal que a Guiné-Bissau poderá sobreviver ao desmantelamento do seu exército?).

É precisamente por aí que é preciso começar, pelo reconhecimento do valor dos melhores filhos da Guiné, massa crítica que a poderia guindar a alturas já sonhadas mas nunca vistas (e até desacreditadas). Como é possível falar de Revisão Constitucional sem fazer tudo para tentar interessar o professor doutor Kaft Kosta? Como é possível falar de Portal sem referir o Didinho e o contributo positivo do seu Projecto? Como é possível falar de Reforma das Forças Armadas sem uma reunião do Conselho da Defesa, uma avaliação da capacidade operacional, um inventário de meios, distinguindo os operacionais dos restantes, um debate avalizado entre as maiores cabeças militares (estou a pensar, por exemplo, em Melcíades Fernandes ou Daba Naualna)?

O PAIGC matou o PAI e, tal como o MPLA, em Angola, alimentou uma mediocridade sarnenta que sabia que só poderia sobreviver na perseguição a todo o esboço de espírito crítico. Deitavam assim a perder os créditos adquiridos com a Luta de Libertação (aliás, ficando ainda a dever imenso à «caixa», pois a palavra que a maior parte encontra para designar os últimos 40 anos é RETROCESSO). A revolução pensada por Cabral foi prostituída até aos limites do inimaginável, redundando numa miserável involução. A capacidade de pensar pela própria cabeça, ideal último do líder, foi adulterada até à obediência cega. Por este andar, mais vale entregar as «chaves» do país!

segunda-feira, 30 de março de 2015

Jornal de Angola ataca Portugal

Num ataque dominical, o Jornal de Angola rebaixa os deputados portugueses em artigo de «opinião», com especial acutilância no achincalhamento do Bloco de Esquerda: o regime continua a esticar a corda, extremando posições para desviar as atenções e encobrir as suas fraquezas. O caso Rafael Marques continua a catalizar os esforços do «estabelecimento» para manter uma credibilidade cada vez mais insustentável, tanto em termos internos como externos. A receita do costume, portanto (seria interessante apurar quanto custaram aos generais as dicas que enformaram o «artigo»). Felizmente, o Álvaro só escreve aos Domingos.

O fim do Império

Depois da Costa do Marfim, da Guiné-Bissau, do Sudão do Sul, caiu o último bastião do imperialismo angolano: Guebuza (aquele que abusa). Depois de uma tensão crescente com o «modelo» do ex-Presidente, o novo Presidente toma as rédeas do país, permitindo augurar um diálogo nacional e uma abertura que seriam impossíveis com este à frente do Partido. Moçambique já percebeu que, por esse caminho, não iria a lado nenhum, parecendo apostado em cooptar os portugueses residentes em Angola para um projecto mais consistente de governança na costa oriental.

Angola, que ainda há pouco tempo ostentava um agressivo discurso de «afirmação» regional como «potência» (talvez na extracção de petróleo), encontra-se, pelo contrário, completamente enredada numa espiral depressiva, que está a empurrar o MPLA (que não soube renovar-se, nem antever a substituição do «querido» líder que o prostituiu) para uma radicalização do discurso «Quem não é por nós é contra nós», implicando uma ameaça implícita de escalada da violência interna, que poderá afectar gravemente a «coesão» social a curto prazo. Todos os sinais de alarme parecem disparar ao mesmo tempo...

Carta da Liga ao PGR angolano

Dos dois casos apontados pela Liga guineense dos Direitos Humanos em Carta Aberta ao Procurador Geral da República de Angola, destaco o da jornalista Milocas Pereira, por este assumir graves contornos políticos. De facto, esta tinha partilhado com amigos chegados que andava a ser perseguida por causa das suas opiniões em relação ao papel de Angola na crise que conduziu ao contra-golpe de 12 de Abril de 2012. Segundo certos rumores, consistentes com esse contexto e nunca desmentidos, Milocas teria ido ao Palácio Presidencial, havendo memória auditiva de uma grande discussão... nunca mais tendo sido vista desde aí. Ordens directas ou indirectas (com os seus esbirros a quererem fazer um «favor» ao chefe, livrando-o de um fardo incómodo)? De facto, nesse caso, pouco interessaria, pois a responsabilidade é inequivocamente de um só. A ocorrência é reveladora do espírito estalinista de José Eduardo dos Santos, na forma de lidar com a opinião alheia (não suportando aqueles que ousam dizer-lhe a verdade, nua e crua, de frente, olhos nos olhos). Qual é a legitimidade alienígena e amoral que José Eduardo dos Santos se arroga sobre a Guiné-Bissau, para mandar matar assim uma das suas filhas, por divergências políticas sobre a sua própria terra? Pede informação e conselhos e depois agradece condenando à morte, porque não lhe agradam as conclusões? Nem que tudo se viesse a revelar fruto de especulações infundadas, a Justiça angolana deveria investigar... Passaram três anos, nada foi feito. Em aNGOLA, a jUSTIÇA, tal como o poder, só funciona em sentido descendente.

sábado, 28 de março de 2015

Operação de limpeza

Mantenhamos a higiene no ciber-espaço guineense.

Má fama

Gostaria de apelar à comunidade guineense de blogs, para que se acabe de vez com os insultos, ofensas gratuitas, linguagem imprópria, difamação e calúnia. Os recentes acontecimentos reforçam a ideia, que já não é nova, de que é necessário fazer algo para disciplinar a má imagem que podem dar do país as intermináveis e estéreis querelas entre uns e outros. A verdade é que, como já defendi, julgo que a Guiné-Bissau tem uma vitalidade excepcional e precoce, se considerada no seu contexto regional, na apropriação de um espaço de opinião e participação virtual. Sem dúvida que mereceria transformar-se num caso de estudo para o Blogger: até o Governo é alcunhado de «Facebook».

Gostaria de comparar o actual panorama com a situação há pouco menos de duas décadas atrás. No «princípio», a internet era essencialmente concebida como um imenso espaço para o exercício da «liberdade» sob anonimato. Evidentemente que, nesse contexto, surgiam muitas coisas interessantes, um acesso a informação nunca antes visto, mas igualmente as maiores barbaridades, pois ninguém se responsabilizava por nada. Todos aqueles a quem «mosca tzé-tzé» diz qualquer coisa, saberão do que estou a falar. Sob esse pseudónimo, se bem que radical e por vezes provocatório, sempre se apelou a uma visão construtiva e a uma participação sem ofensas. Lembro que a comunidade elegera como espaço de encontro o fórum disponibilizado na plataforma PortugalNet, dividida por PALOPs. Por altura do conflito de 1998/99 e talvez em certa medida influenciado por isso, o fórum guineense era o que apresentava a esmagadora maioria da actividade «opinativa», com uma interacção largas dezenas ou centenas de vezes superior a todos os outros fóruns juntos; no entanto, a entropia que gerou a má língua acabou, para aqueles que se lembram, por fazer com que o administrador, depois de múltiplos avisos e admoestações, censuras, etc, para tentar limpar a «porcaria» (nojenta mixórdia?), acabou por tomar a decisão radical de fechar o fórum, já no ano 2000; alguns poucos, talvez se lembrem que conseguimos criar um fórum próprio, que funcionou durante seis meses [aliás, era melhor que o da PortugalNet, para cujo contador se estava no ano de 20100 (19 + 99) = (20 + 100) sofrendo do «virus do milénio»] até a PortugalNet ser obrigada a reabrir.

Claro que na altura, só na Diáspora era possível aceder à Internet; só de há poucos anos a esta parte se começou a divulgar em Bissau, encontrando-se hoje em franco crescimento, como me é dado constatar, à minha escala insignificante e sem pretensões de representatividade, pelas estatísticas do meu próprio blog. Entretanto, a forma como se encara a internet evoluiu muito: partindo do anonimato e irresponsabilidade, o paradigma FaceBook, ao insistir na consistência identitária, veio disciplinar e «civilizar» esse mundo «selvagem» que era o ciberespaço, fazendo evoluir as mentalidades. Anteriormente podia dizer-se tudo, mas não tinha grande importância, porque era uma máscara que o declinava, chegando a notar-se a existência de desdobramentos de personalidade cujos heterónimos se insultavam mutuamente! Hoje, a ideia prevalecente é a de que o mundo virtual deve servir para a organização das nossas vidas, ou seja, de cara descoberta e na maior transparência, sem prejuízo do nível de privacidade que cada um deseja manter em relação à sua vida em particular. Somos, de qualquer forma, uma amostra com alguma visibilidade da Guiné-Bissau.

Vamos contribuir de forma positiva, mostrando que respeitamos os nossos irmãos e as nossas irmãs.

sexta-feira, 27 de março de 2015

Fuinha

Uma mixórdia nojenta me saíste tu, ó insecto repugnante, a maior nódoa no panorama!

Quem és tu, ó palhaço, para insultares uma comunidade virtual, a rede guineense de blogs, que invejas, à qual te tens querido vir a impingir nos últimos tempos?

Facilito-te o trabalho para me processares por difamação:

Nome completo:
José Fernando da Silva Rodrigues Gomes

Morada:
Rua Tenente Valadim, 91 - 2º
2000-081 Santarém

Bilhete de Identidade: 7762532

Cheiro nauseabundo

Pelos vistos, o mau cheiro emanado dos contentores a apodrecer, aqui denunciados, foi oportuno, pois acaba de ser partilhada publicamente a suspensão «provisória» da limitação de importações. A confusão é grande, sempre no maior vazio legal, uma vez que, apesar de o Decreto-Executivo se encontrar em vigor desde 23 de Janeiro (afectando grandemente os exportadores portugueses), os principais actores reconhecem que a medida está «suspensa» ou foi «adiada», embora não haja qualquer despacho legal que o formalize.

Pedro Queiroz, em defesa dos interesses agro-alimentares portugueses declarou ao Público (Angola é o maior mercado externo para a cerveja portuguesa, consumindo mais que o próprio mercado interno português, segundo o mesmo artigo) classificou a suspensão como uma boa medida, MAS (não há bela sem senão) afirmou que

«não estamos minimamente tranquilos porque há muitas dificuldades com a falta de divisas»...

Terra (b)ranka ou terra (b)ronka?

Presidente guineense, em encontro com o homólogo (broncosauro) português, confessa-se entristecido com as responsabilidades assumidas na Mesa Redonda. Palavra obviamente mal escolhida, consiste de facto num acto falhado, traduzindo a sua aversão visceral à despreocupação e ligeireza de abordagem do Primeiro-Ministro. Sizudo, como sempre, o Presidente (à excepção da fotogenia exigível nos registos protocolares)...

Rapidez relativa

O blog do irmão Umaro levou um minuto a corrigir um erro que não era seu, estando de parabéns.

Já no Portal do Governo, apesar dos erros aqui assinalados há uma semana, e das promessas de «actualização diária», nada foi feito.

Florentino Mendes Pereira continua a ser Primeiro-Ministro e, como toda a gente sabe, deslocou-se a Bruxelas com o Presidente.

Ou seja: a rapidez relativa do blog é, portanto:

1m x 60 = 1h x24 = 1d x 7 = 1s

= 10080 x

Ou seja o blog revelou-se (pelo menos, pois o tempo continua a contar, voltaremos a fazer as contas quando perfizer um mês) mais de 10 000 vezes mais eficiente que o Portal de DSP, no qual, aliás, o ainda Presidente do PAIGC nem sequer existe.

Pá na ceia

Teria sido mais cómodo, para Rafael Marques, conservar-se no exterior do país, fora do alcance da omnipotente máquina do regime. À falta de acordo de extradição e, além disso, inocentado pela Justiça portuguesa, nada o obrigava a ir até Luanda.

O jornalista do Público, em artigo publicado hoje, chama-lhe «luta quixotesca», mas a essa expressão prefiro a comparação com David & Golias, ou o adjectivo «titânica», que já há dias utilizei, sobre o mesmo assunto. Rafael mostrou-se decidido a subir à sua cruz (gostaríamos também, por falar em Cruz, de ouvir o Domingos...)

«É uma honra e um orgulho enfrentar um tal imenso poder»


O arcanjo Rafael transporta no seu nome a cura divina para os males do mundo. E veio interromper a ceia dos poderosos, colocando-lhes o pé na porta, uma cunha naquele que é, sem sombra para dúvidas, um processo político.

No entanto, pode virar-se o feitiço contra o feiticeiro...


Deus livre o regime de o transformar em mártir.

Polícia despistada

A ingenuidade da Polícia angolana, num alerta perante um forte incremento na emissão de cheques «sem cobertura», torna-se reveladora daquilo que as autoridades monetárias pretendem negar. Efectivamente, constatar simplesmente que a distribuição desses casos não é regular ao longo da semana, sentindo-se sobretudo à Quinta e Sexta, com um claro pico no último dia útil (sem o tentar explicar), parece enfermar de falta de perspicácia. É decerto prematuro classificar os emissores como meliantes, pois duvido que a maior parte julgue que pode fazer promessas de pagamento, ficando impune o seu incumprimento. Julgo que estes são apenas indícios claros de que a inflacção se prepara para disparar. Basta fazer as contas, de uma forma muito legal, ao tempo que leva um cheque nos procedimentos de devolução e queixa (com o emissor sempre de boa fé, claro, tal como o seu gerente bancário)...

Ao comprar à Sexta e, se em vez de pagar em dinheiro, pagar em cheque (a compensar na semana seguinte, melhor ainda «para o fim do mês, quando receber»), ser-lhe-á automaticamente concedido um imbatível «desconto», pois os preços terão subido, entretanto.

Entretanto, as novas moedas de 50 e de 100 terão «valor» unicamente para colecção.

Purga radical na Sonangol

Finalmente foram encontrados os bodes expiatórios, para a «ineficiência» da Sonangol. Decerto serão responsabilizados pela queda no preço do petróleo.

Integral redefinição de competências internas e total renovação de conselhos de administração de subsidiárias. Uma verdadeira chicotada psicológica à moda soviética.

UNITA sente-se ameaçada pelo MR

Samakuva não merecia o desprezo a que foi votado pelos distraídos e absentistas Parlamentares portugueses, pois a mensagem é a da defesa do Regime. Num discurso contraditório, o líder da UNITA diz não confiar em José Eduardo dos Santos para a organização de eleições, mas, por outro lado, pretende «evitar a ruptura». É natural que se sinta ultrapassado...

quinta-feira, 26 de março de 2015

Parabéns a nós! Parabéns a mim!


Bilhões de parabéns!

Pseudo-Rectificação

Uma vez mais, em pouco tempo, vejo-me obrigado a efectuar uma rectificação. Agradeço ao anónimo responsável pela chamada de atenção. Com todo o respeito pelo irmão Umaro, não julgo legítimo que tome a liberdade de imprensa a ponto de tentar encobrir um erro do Primeiro-Ministro, alterando o bilião da nota que copiou, e que o próprio nem sequer corrigiu no original. É louvável, mas não queira ser mais papista que o Papa. DSP estava simplesmente a sonhar alto: perdido por um, perdido por mil (ou por um trilião, porque não?).

Evangelho de JOMAV + DSP segundo o PN

Talvez os estúdios de Bruxelas do Progresso Nacional devessem ter pedido aos «heróis» para encenarem uma foto actual do entusiasmo do Presidente e do Primeiro-Ministro. Para quê utilizar uma foto desactualizada (já data da campanha eleitoral)? Será desnecessário destacar que (como a realidade se viria a encarregar de demonstrar) esses sorrisos fotogénicos não auguravam nada de bom...

Que dizer se estes não se deixam fotografar juntos? Hipocrisia e cinismo? Que esperar? Coabitação institucional? A mesa redonda foi considerada uma panaceia para todos os males... Mas os vícios continuam.

quarta-feira, 25 de março de 2015

Comunicado Final

A Mesa Redonda revelou-se um grave equívoco, bem representado pelo número simples apresentado: 1 BILIÃO. Indiferentemente de se tratarem de euros ou de dólares, queriam decerto dizer mil milhões. Ou bilhão, em brasileiro. Um bilião corresponde a um milhão de milhões e não a mil milhões.

Mas os equívocos não se ficam por aqui. Nem a brincar, terminar um comunicado que deveria ser de coesão nacional, com uma ofensa às Forças Armadas guineenses. Os dois últimos pontos são uma verdadeira vergonha, dedicados apenas à intenção de ocupação angolana. Afinal esta mesa redonda foi uma farsa, servindo apenas para reafirmar a venda do país, contra uns trocos?

Rapidamente se compreende o teor da referida Resolução 2203...

«Notant les efforts que fait le Gouvernement pour asseoir le contrôle et la tutelle effectifs des autorités civiles sur les forces de défense et de sécurité, faute de quoi le bon fonctionnement des institutions de l’État pourrait être entravé par la collusion entre certains acteurs politiques et les chefs militaires.
(...)
Exige de nouveau des forces de sécurité et de défense qu’elles se soumettent pleinement à la tutelle du pouvoir civil.»

Convidando os «parceiros» a contribuírem para a sua «manutenção». Será que esses custos serão a abater ao «BILIÃO», ou apenas ao envelope angolano?

Este assédio está a tomar contornos de verdadeiro mau gosto. Como é possível que um país que acaba de pedir ajuda alimentar internacional ao PAM (ver última notícia no Folha 8) insista em despender grandes somas de dinheiro para alimentar um corpo expedicionário indesejado pelos guineenses? Com a conivência das duas principais figuras do Estado?

Neste caso, BILIÃO rima com TRAIÇÃO.

Estatísticas

Aderindo, desta vez, ao desafio do editor do Ditadura do Consenso, publico as estatísticas por país, por browser e por sistema operativo, relativamente ao dia, semana, mês e «sempre».





Viva Nito Alves!

terça-feira, 24 de março de 2015

Rafael Marques ataca Portal

5 milhões de dólares gastos num «Portal» que não faz nada e, para além disso, nem sequer corresponde à designação oficial. O «modelo» angolano parece ter inspirado DSP... A «qualidade» informática é igualmente péssima e inconsequente.

Mais 20 ou 30 Kwanzas por dólar

A banca «angolana» pelos vistos assumiu o banditismo e arbitrariedade impostos pelo regime, queimando a possibilidade de enviar dólares para Angola (são convertidos à força em Kwanzas à taxa oficial). Segundo declarações à VOA da Direcção do Milenium, os lesados podem queixar-se a quem quiserem (ao «responsável», talvez...).

Pura extorsão! Efeito pernicioso: o «capital» arranjará outro canal, nunca mais ninguém mandará dinheiro «virtual» para Luanda, o que não deixará de se ressentir imediatamente no câmbio do dólar. A amplitude formal / informal deverá agravar-se para mais do dobro.

Entretanto, parece que há contentores importados com géneros a apodrecer, por causa das confusões das quotas de importação e das makas conexas no Ministério do Comércio. Mais 10 ou 20 Kwanzas a juntar aos anteriores...

Feios, porcos e maus

O Secretariado da UNITA em Cabinda, num comunicado excepcionalmente feroz e contrastante com a moleza do Secreriado Nacional, acusa o Regime de:

ASSASSINOS, LADRÕES E VIOLADORES DA CONSTITUIÇÃO

Citando Rafael Marques, é preciso resgatar o país das mãos que o conspurcam!

Libertem o Mavungo!

Coragem & Determinação

Rafael Marques enfrenta o regime despótico de José Eduardo dos Santos, num desafio titânico. À SIC, afirmou que «todos sabemos qual é o papel do Governo português sobre Angola: É de total harmonia com os interesses corruptos e autoritários deste regime».

Em primeiro lugar gostaria de lembrar, a propósito, a ilegalidade do próprio julgamento, uma vez que os mesmos acusadores já se tinham sujeitado a outro foro, sendo um elementar princípio da Justiça que ninguém pode ser condenado duas vezes pelo mesmo crime. Claro que as regras do jogo não interessam para nada: em Angola, o espírito do legislador é descartável por qualquer conveniência bem colocada.

[imagine-se alguém acusado de assassinato e ilibado, voltando a ser acusado de homicídio... o seu calvário nunca mais acabaria, enquanto houvessem sinónimos. Os próprios Mandamentos teriam de passar a mais de 100, pois seria preciso acrescentar ao «Não matarás», «Não praticarás o homícidio», «Não cometas assassinatos», etc; o regime vai ainda mais longe, com novos conceitos de Direito, fundindo duas palavras!]

Prendem-se activistas pacíficos forjando inventonas, coartam-se todos os dias Direitos constitucionais básicos como o de Manifestação (até de simples reivindações estudantis - aliás imediatamente satisfeitas - de tal forma é o medo dos ventos do Burkina)... Tal como afirma Rafael no seu livro, mais do que um simples documentário, o estudo dos Diamantes de Sangue é uma amostra representativa do Regime.

Este julgamento é uma verdadeira farsa, mas a grande vantagem de Rafael Marques é que tem razão e está preparado para cumprir o seu destino, sujeitando-se à consciência do Juiz. A sua dignidade, coragem e determinação poderão levá-lo à prisão. Talvez, para aproveitar o tempo privado de liberdade, possa começar a escrever o próximo título: «Petróleo de sangue», dedicado à «província» de Cabinda.

Mas, se for preso, não será por muito tempo. Rapidamente o responsável político, segundo a Constituição angolana, o irá substituir, precisamente na mesma cela. Rafael Marques poderia trocar de lugar com José Eduardo dos Santos: sentar-se-ia o ditador no banco dos réus e o activista no cadeirão presidencial. Justiça seria reposta e Angola ficaria decerto a ganhar com uma nova partida, em bases saudáveis.

Libertem o Tempo!