quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Localização da moeda

O regime angolano parece apostado em associar o seu destino ao da moeda do país. Todos os sinais de nervosismo e de contrariedade que até agora emitiram apenas reforçam a depreciação da moeda: tentar constranger artificialmente os preços apenas estimula o açambarcamento, provoca a escassez, incrementando o nível de inflação; taxar a exportação de capitais, uma barbaridade no fluído mundo financeiro de hoje, apenas prejudica a percepção da qualidade da moeda! Ambas as coisas apenas retroalimentam perniciosamente o processo que pretendem supostamente contrariar.

Toda esta linguagem «corporal» de esconjuração de males, apenas demonstra a fraca confiança que as próprias autoridades nutrem pela moeda nacional. Resta apenas saber se a Guarda Presidencial (e o Batalhão fantasma) continuará a receber papelinhos, ou se começará a aceitar apenas dólares.

PS Ao mesmo tempo, também as comadres portuguesas dão sinais de inquietação, com Belmiros & Amorins na dúvida se haverão de aumentar a exposição a Angola. É óbvio que Angola oferece imensas oportunidades... no entanto, talvez se justifique um compasso de espera, uma capitalização, para, depois de o país se livrar das suas grilhetas históricas, poderem partir para uma nova, original e sustentável era de desenvolvimento. Qualquer outra opção constituiria um erro crasso e sujeitaria os candidatos a penas pesadas.

Promoção em Luanda

BEBA 1 e PAGUE 2!


Preço, em moeda local, da cerveja Super Bock, respectivamente no fim de Janeiro e no fim de Fevereiro deste ano:

[com 100% de inflacção ao mês, fazendo as contas, o preço da média andará pelos 409 600 (quatrocentos e nove mil e seiscentos) Kwanzas, por altura da passagem de ano. Prefira o Cervejómetro, o mais fiável índice de preços]

Ver fonte.

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

Contas de sumir

As recentes alterações efectuadas na administração do Banco Nacional de Angola, já estão a dar o seus frutos. O mais recente relatório, referente à semana passada, é uma autêntica nulidade: pura e simplesmente nenhuma conta bate certo.

 
1) Os 4,2 mil milhões emitidos em Obrigações do Tesouro (integralmente colocados, em troca de dólares, como a semana passada) transformam-se mais à frente em 4,7 mil milhões de colocados (decerto erro de copy / paste da semana anterior).

2) O resumo daquilo que foi colocado - esses 4,2 mil milhões de OT mais os 36,2 milhões do total de Bilhetes do Tesouro colocados [36,2 em 19500, ou seja a confiança desceu, dos 0,9% da semana passada, para menos de 0,2%], dá 4 236 milhões (ou outra coisa qualquer, estando a conta errada), mas nunca 465,8 milhões.


3) As parcelas, dos BT efectivamente colocados, não correspondem ao total de 36,2 milhões
 
Só encontrei uma forma de as contas baterem certo (ver tabela à esquerda): em vez de 10,9 alguém bateu 19... esse terá sido apenas um erro de digitação e seria grave, mas eventualmente desculpável. No entanto, os erros não acabam aí,  pois a segunda e a quarta parcela (esta última, para além disso, não pertence evidentemente a esse total), são em milhares de milhões e não em milhões (veja-se a expressão na tabela à direita).

A outra possível explicação estará numa «maquilhagem» (se os 4,8 mil milhões forem de facto «mil milhões» e não «simples» milhões) para camuflar uma desvalorização do Kwanza junto da banca, com o câmbio semi-oficial, a duplicar a distância, em relação à semana passada, para o câmbio oficial (obrigando os bancos, em troca de sensivelmente a mesma quantidade de dólares, a absorverem o dobro de Títulos do Tesouro). O Banco de Angola que esclareça as continhas, tim tim por tim tim...

Quem quiser verificar a metodologia, compare com o mesmo relatório mas da semana passada (no qual todas as contas ainda batiam certo). De uma mediocridade e irresponsabilidade gritante! Mesmo tratando-se, em vez de simples estupidez, de uma versão «manipulação», a forma não é nada abonatória: «malandrices» dessas devem ser bem feitas e nunca deixar o rabo de fora. É a credibilidade monetária do país que está em causa.

É o que dá, perseguir os melhores filhos de Angola e rodear-se de medíocres, corruptos e yes men, incapazes de pensar pelas próprias cabeças ou de fazer uma simples conta de somar!

Não basta copiar modelos: a China também tem a sua moeda indexada ao dólar, mas a China produz riqueza, não se limita a extrair e o Yuan é artificial e sistematicamente subvalorizado (vendendo) para favorecer as exportações de produtos fabricados e a importação de divisas; no caso angolano, passa-se precisamente o inverso, pois a moeda foi sistematicamente sobrevalorizada (comprando-a) para favorecer as importações de bens (de luxo: como jactos privados - havendo famílias com mais que um) e as exportações de capital (para os beneficiados do regime adquirirem bens de raiz no estrangeiro).

terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Queda do Paraíso, ou fuga ao Inferno?

O Secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação, Luís Campos Ferreira, perante o Embaixador angolano (interpelado por um empresário em Sines acusando-o de mau pagador), manifestou a sua preocupação de ver Angola transformar-se «do sonho que é, num pesadelo».

Também o Sol, filtrado pelas peneiras do seu sub-director, utiliza uma infernal retórica para descrever a actualidade, mas apenas com o intuito de minimizar a situação. Sentado num restaurante de luxo, espera «tranquilamente» que passe a «tempestade no copo de água»: custa-lhe perder o lugar ao Sol.

«Milhares de expatriados receiam ser obrigados a regressar a Portugal. (...) Mas percebe-se que muitos não pensam sair daqui e que esperam que a crise passe tranquilamente.» A assoar o rainho ao regime, Vitor? Que nojo!

domingo, 22 de fevereiro de 2015

Falta de oportunidade

O anúncio, por parte do Ministério da Economia, do lançamento de um plano para a melhoria do «ambiente de negócios» não podia ter caído em pior altura, em pleno «escândalo» BissauLink. Talvez esse plano deva lidar, em primeiro lugar, com o constrangimento que passou a representar esta empresa para esse «ambiente», com as suas descabidas e ridículas declarações de diabolização do lucro, de deixar os cabelos em pé a qualquer empresário.

Porque não diabolizar a corrupção e as suas insidiosas campanhas de insinuação? Isso sim, seria um bom contributo para um saudável ambiente de negócios...

Vertigem

O Ministério angolano do Comércio, empenhado em diabolizar o lucro, reconheceu, num programa da Rádio Nacional:

«_O país tem estado a viver um fenómeno: a subida de preços de forma vertiginosa»


Outra opinião, na mesma rádio:

«_As pessoas estão assustadas por estas medidas»

Menina bUNITA

A UNITA anuncia tomada de posição sobre o OGE para Quarta-Feira. «É pena que na altura em que gastam o dinheiro, gastam sozinhos, sem que os angolanos saibam como gastam, mas que na altura das dificuldades o titular do poder Executivo já quer chamar os angolanos todos para resolver as dificuldades.»

Já Chivukuvuku, por altura da convocação do Conselho de Estado, tinha dito a mesma coisa: nunca o Presidente se lembrara de pedir qualquer «conselho», para partilhar os seus «sucessos»; as coisas começam a correr mal e nesse caso já convem congregar mais uns tantos fantoches, para diluir responsabilidades...

Quando há louros para recolher, José Eduardo dos Santos não tem problemas em cumprir o seu glorioso papel, reservando os aplausos à sua augusta pessoa; já quando o caminho se apresenta semeado de espinhos, chama os seus fiéis e bem amestrados servos para o transportarem às costas na ingrata jornada.


Vão continuar a lamentar-se para o resto da vida: é pena isto, é pena aquilo, é pena aqueloutro... é pena, realmente, porque de «penas» dessas e de boas intenções está o Inferno cheio. Enquanto sobrarem penas no galo, o ditador continuará a regalar-se ao almoço: o belo frango assado com batatinhas fritas.

sábado, 21 de fevereiro de 2015

Elogio da terceira via

Perante uma oposição angolana envelhecida, inepta e bajuladora do regime, o elogio dos jovens. Do absoluto desencanto ao desacato da ditadura, vai um passo. Três vivas para a terceira via: Viva Luaty Beirão! Viva Emiliano Catumbela! Viva Nito Alves! (corajosos e já lendários líderes do Movimento Revolucionário)

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

Ligações perigosas

KáKá... Kakre na kabass, é o que me ocorre, para designar a mentalidade mesquinha que pressupõem as declarações do Director Geral de Alfândegas, depois de outras, igualmente infelizes, por parte de um responsável da BissauLink.

Que uma empresa contratada para verificação contabilística se insurja contra facturas falsas, parece-me perfeitamente legítimo, mas deveria encaminhar os casos detectados para o executivo que o contratou, o qual, por sua vez, reencaminharia para a Justiça ou procederia em conformidade (embora esta questão só tenha surgido a posteriori - como forma de encobrir a «gaffe» da BissauLink).

Impensável é que esta queira fazer «Justiça» económica pelas próprias mãos, pretendendo «moralizar» a natural e benéfica apetência pelo lucro que move os empresários (apontando um exemplo ridículo, de «primeira necessidade», como «cabelo humano») em declarações públicas e inflamatórias, diabolizando os comerciantes e o seu importante papel na logística social, o que só poderá prejudicar o país e tornar-se num novo obstáculo ao desenvolvimento (são notícias estúpidas como estas que afastam o investimento).

Julgo mesmo que a empresa se tornou passível de procedimento criminal, por abuso de poder e revelação indevida de segredos comerciais. Mas o pior é que a evidente usurpação de funções políticas, pode ser o sinal de que a empresa se pretende constituir como «autoridade» e um nó de poder discricionário no seio da própria administração estatal, o que levanta legítimas dúvidas acerca das circunstâncias e motivações em torno dos interesses envolvidos na sua contratação.

Quarentena

Quarenta? Ena! Já passaram quatro décadas desde o êxodo massivo dos portugueses de Angola, num processo traumático para ambas as partes. Nem quero recordar, para não transformar esta reflexão em processo...

Depois de ter conseguido, valorizando a sua ligação com Portugal, um crescimento económico razoável, mesmo se muito desequilibrado e extremamente dependente do petróleo, o regime angolano parece agora empenhado em dar um tiro no pé, destruindo o seu único contributo real para o desenvolvimento, que consistia precisamente nesse clima de confiança.

As relações com Portugal, sempre «estrategicamente» encaradas por Luanda de um ponto de vista de superioridade (aproveitando a fraqueza congénita do seu regime democrático, bem como a mediocridade e corruptibilidade da sua classe política), redundaram em vergonhosos episódios absolutamente indignos, culminando num aval estatal cancelado por Decreto, precisamente quando este era essencial para a manutenção de um grupo empresarial português multi-secular (e com José Eduardo dos Santos ainda a mamar o leite das vacas gordas).

Confrontado com a crise monetária, o regime tenta agora, como parecia previsível, sacudir a água do capote, lavando as mãos das suas próprias responsabilidades de má gestão (estou a ser simpático, para não bater muito no ceguinho). E quem se prepara para pagar as favas? O alvo que está à mão, eternos bodes expiatórios: os tugas. Como muitos traduzem: «de bestiais, passaram a bestas». Surgem denúncias de condições infra-humanas em mão-de-obra portuguesa da construção civil (agora desocupada com o cancelamento dos contratos estatais e com salários em atraso)...

Pior: na sua inconsistência e incapacidade governativa, anunciam menos de 10% de inflacção no OGE, mas admitem aumentar os combustíveis para o dobro; introduzem quotas de importação e depois acusam «ingenuamente» os comerciantes de especulação, mesmo sabendo que os preços do dólar dispararam no mercado informal. A negação da realidade, por parte do regime, que parece querer fazer o tempo andar para trás, só poderá tornar-se cada vez mais devastadora, à medida que o discurso se afasta da realidade.

A nova taxa de transferência de divisas (à exportação, presuma-se) é o mais recente e «brilhante» exemplo da maquiavélica e perigosa campanha de José Eduardo dos Santos contra a sua própria herança, cujo lema parece ser «depois de mim, o caos». A quem afecta a medida? Imagine-se o dilema de um comerciante português que importa produtos portugueses: mesmo admitindo que poderá aceder a dólares à taxa oficial (o que não é garantido, dado o poder discricionário agora concedido à banca em «articulação» com as autoridades - além disso terão tendência a «associar» aquisição de dívida interna como contra-partida, para se livrarem do papel tóxico): terá de encarecer o seu preço final, aplicando a sua margem sobre esta nova componente de custo: para o cenário avançado, de cerca de um sexto (15 a 18%), isso induzirá uma «nova» inflação, de pelo menos um quarto (calculando a uma margem de lucro de 50%), ou seja, um acréscimo de inflacção nos seus produtos de 25%. No entanto, não acaba aqui. O referido comerciante «anda lá fora a lutar pela vida», mas o seu objectivo é mandar o dinheiro para Portugal. Ou seja, para isso, terá de pagar novamente tributo. O que vem onerar o preço em pelo menos outro tanto. Além disso, a medida volta a reduzir a já afectada convertibilidade do Kwanza (a S&P não vai gostar, e decerto falará disso quando voltar a baixar o rating), estimulando, em contra-partida, o mercado informal, para não falar de mais corrupção, em cascata.

Em economia, os efeitos vivem-se por antecipação. Não se pode levar a mal a um empresário que, face a notícias destas, actualize instantaneamente os seus preços: pois a reposição dos produtos na prateleira vai ficar-lhe muito mais cara, além disso, está a ver a vida a andar para trás e os tempos são de incerteza. A incerteza, como todos sabem, não é propriamente o ambiente preferido dos empresários, por isso estes terão tendência a proteger-se, introduzindo uma componente psicológica no preço, a título de prémio. Ou seja, revela-se pouco inteligente o anúncio desta medida, pois mesmo não considerando outros factores, é suficiente para introduzir imediatamente uma inflacção esperada nos produtos importados de mais de 60%, fazendo as contas por baixo. A «plasticidade» do comerciante português será decerto uma vantagem, face à pressão social que o regime parece querer virar contra ele.

Para o cidadão angolano verdadeiramente responsável e patriota, bem como para a oposição, deve constituir um ponto de honra, não embarcar nestas cabalas, protegendo etica e moralmente os comerciantes e empresários desta desesperada ofensiva do regime, apostada na diabolização do lucro, como forma de manipular as mentes dos angolanos e desviar as atenções da inevitável mudança que se impõe. Todos terão o seu lugar, numa Angola a repensar e essa será prova de verdadeira maturidade. A ponto de uma transição pacífica poder contribuir para repor os níveis de confiança (já desimpedida a nação da corja de parasitas que, para além de sugarem a seiva do país, ainda cospem na sopa do povo) monetários.

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

Conexão SONANGOL / PETROBRAS

O escândalo do «Petrolão» tem evidentes ramificações «culturais» transatlânticas nos modus operandi. Corrupção generalizada, lavagem de dinheiro, tráfico de droga... A única diferença parece consistir, do lado brasileiro, num estilo particular, mais difuso e oligárquico, se não mesmo anárquico; enquanto em Angola, resulta de um estilo perfeitamente estruturado, com origem no topo da pirâmide.

Esclarecedor artigo do Club-K, a não perder!

Quanto ao nome da operação policial, «Lava Jacto», faz-me curiosamente lembrar as conexões transatlânticas de um dos traficantes estatais, graças a esse útil e confortável meio de transporte particular, muito ao gosto e serviço da «elite» angolana (plagiando um célebre anúncio da Black Trinitron: melhor que um Falcon, só dois Falcon!)

Alarmismo bem fundamentado

O BIC, que há pouco mais de um mês se gabava de ser o primeiro a garantir a convertibilidade do Kwanza em Lisboa, ou, ainda há pouco mais de uma semana, falava de «alarmismo infundado», vem hoje, pela pessoa do mesmo Fernando Teles, pedir encarecidamente ao Banco de Angola que alimente a fome insaciável de divisas que (misteriosamente?) o acometeu entretanto?

Este senhor não se enxerga?


Então a descarga de segunda-feira não foi suficiente? Já esgotou?

Ah. Não chegou para a cova de um dente?

Choramingão! Ó Teles, olha que ficas mal na tela!

terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

Câmbio semi-oficial

Um balão de oxigénio de 435 milhões de dólares foi injectado na economia angolana na semana de 9 a 13 de Fevereiro. Esse prémio à banca (pelo diferencial relativamente ao câmbio informal), parece ter sido rateado em função da absorção de títulos do Tesouro, no valor de 46 milhões. Para encontrar a cotação oficiosa actual do Kwanza, e admitindo que as autoridades monetárias vão insistir neste esquema semanal, recorra-se à fórmula:

[(Montante em dólares semanal + Montante colocado em TT) / Montante em dólares semanal] x Câmbio Oficial

Ou seja, a «cotação» deve ter em conta que os bancos estão a ser compelidos a comprar dívida que não querem (cujo valor actual é sensivelmente zero), para conseguirem aceder a dólares, dos quais precisam muito para satisfazer os seus clientes (pelos menos para honrar o compromisso que assumiram com os clientes que possuem contas em dólares). Fazendo a conta a um câmbio oficial de 105,3 por dólar, facilmente se chega à conclusão de que essa cotação subiu para 116,4 Kwanzas por dólar, depois de diluídos os inerentes custos «extraordinários».

O Banco de Angola pretende assim, para além de capitalizar a banca, dar a entender que o esquema vai continuar. Ou seja, que a moeda poderá deslizar, mas ao seu ritmo e sob o seu controlo. Claro que os «prémios» seguintes não serão tão vantajosos, como na «oferta de lançamento». Ao fazer depender da política (e boa vontade) dos bancos a disponibilidade de dólares, a liquidez do Kwanza face ao dólar fica reduzida e a sua integral convertibilidade amputada, deixando por isso uma boa margem de manobra ao mercado informal (para já, uma margem que pode ser grosseiramente estimada entre 20 a 30 Kwanzas por dólar, a adicionar ao câmbio oficioso, calculado pela anterior fórmula).

O mercado, como resposta a esta acção, pareceu dar mostras de um pequeno afrouxamento na fúria do furacão. Mas será sol de pouca dura, uma fugaz acalmia. Neste momento, a procura de dólares é, pura e simplesmente, «infinita». Dado o desfasamento entre o câmbio oficial e o informal, qualquer montante que seja colocado encontrará tomador. Para enfrentar o sorvedouro sem fundo de divisas (que os responsáveis já lamentam publicamente - o qual tem evidentemente pouco a ver com importações), o Banco de Angola, se insistir em manter este sistema, irá tornando cada vez mais pesada a componente de dívida em Kwanzas a absorver pela Banca, para aceder a cada vez menos dólares. Tal como para um jogador de poker, o bluff é, em questões monetárias, um recurso importante. O dado mais importante, neste momento (aliás, solicitado por Chivukuvuku no Conselho de Estado) é a situação real das reservas do país, para poder ter uma ideia de quanto tempo conseguirão as autoridades manter este «jogo».

No entanto, regra geral, a miopia não é doença que afecte os especuladores. Passada a primeira surpresa, a tendência estrutural prevalecerá rapidamente, anulando o desejado efeito.

Entretanto, governantes como a Ministra do Comércio, ou um conselheiro presidencial, em discursos bem pobrezinhos e inconsistentes, tentam ensinar o padre nosso ao cura, diabolizando o papel dos empresários, os quais evidentemente, em períodos de incerteza, deitam contas à vida. É pouco razoável, para não dizer ridículo, pretender que os actores tomem decisões económicas baseados em crenças ou opiniões impostas por conveniências alheias. A pressão social que assim colocam sobre esses agentes apenas agrava o clima de desconfiança pré-existente, retroalimentando o processo de depreciação da moeda.

O Direito à Revolução

São Tomás de Aquino defendia que, quando os povos enfrentam uma violência excessiva por parte do seu Rei ou senhor, têm o Direito de procurar outras formas de organização social mais adequadas ao seu desenvolvimento. Estabelecia o Santo Padre da Igreja uma única condição: que essa mudança não implicasse maior violência que aquela em que o próprio ditador mantinha a sociedade.

(talvez essa cláusula legitime aqueles que hoje criticam as «revoluções» iraquianas, líbias ou sírias)

Em Angola, Domingos da Cruz enriqueceu esse Direito, propondo a expressão dos 3R:

1) o direito à RAIVA perante o mal
2) o direito à REVOLTA quando este persiste
3) o direito à REVOLUÇÃO quando o mesmo se eterniza

A estratégia do regime tem consistido precisamente em explorar os fantasmas da guerra civil. No seu discurso paranóico e persecutório, todos aqueles que defendem a mudança são desacreditados como irresponsáveis e belicistas. Contra essa perniciosa associação polarizada, que parece, até aqui, bloquear a mente dos angolanos, se insurge um artigo de opinião de Nuno Dala, publicado no Angola24horas.

Mangueirada no cócó

Rui Mangueira, Ministro da Justiça, à frente de um elenco governamental angolano, deslocou-se a Paris para apresentar a nova Legislação angolana sobre Branqueamento de Capitais às instâncias internacionais.

A incoerência legal e a inconsistência moral parecem ser regra em Angola. Senão veja-se: a 28 de Janeiro deste ano, era aprovado na Assembleia esse pacote legislativo, relativo à lavagem de capitais. Apenas um dia depois, a 29 de Janeiro, a mesma já estava a servir, hipócrita e muito oportunamente, de «bode expiatório» para a crise monetária que se avizinhava: escrevia a Lusa «As limitações [à convertibilidade do Kwanza] introduzidas em Janeiro de 2014 visavam nomeadamente travar o branqueamento de capitais, através de Angola.»

A lavagem do dinheiro, em Angola, é «cultural», como defende Orlando Castro, na Folha 8. Para um regime todo ele baseado na liberalidade informal de apropriação dos recursos públicos, parece ser «normal» ter um alto funcionário comprovadamente implicado no tráfico de seres humanos, ou outro alto funcionário a quem são interceptadas pela polícia algumas (entre muitas) malas de milhões de euros a caminho do Casino (atenção, não sei porque insistem alguns em «lavagem»... uma pessoa já não pode divertir-se?). Simples rotina. [Haverá dinheiro limpo, no país dos diamantes de sangue?]

A sangria dos recursos foi a receita de «sucesso» da seita presidencial, implicando fechar os olhos aos maiores desmandos, mesmo se inequivocamente comprovados e publicamente expostos, pois, de outra forma, esses casos flagrantes poderiam servir de perigoso precedente, relativamente à «higiene» da apropriação original (logo, tornando-se prejudicial à «saúde» do regime). Como é preciso «matar o mal pela raiz», o branqueamento é feito na origem: não há dinheiro sujo em Angola, nem nódoas de petróleo, nem uma má repartição dos frutos do chão pelos filhos da terra.


Só gente séria, que vivia no meio de vacas bem gordas, até ao dia... em que as tetas secaram e as vacas emagreceram, o sol desapareceu e o céu toldou-se ... e o fantasma da fome à espreita, do outro lado do arame farpado.

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

Kaba

«Si no misti bai pa dianti, no dibi kaba ku intriga.»

«Essa desavença entre o PR e o PM alimentada por gente que quer ser Ministro(a) custe o que custar, sem fazer nada, está a hipotecar o sucesso da Mesa Redonda. Que tomem medidas para repor ordem no partido e no Governo. O único perdedor da guerri(n-l)ha entre os dois, será a nossa Guiné.»

Sondagem monetária = Confiança < 1%

A colocação no mercado de Bilhetes do Tesouro (para absorver liquidez e tentar controlar a voraz espiral inflaccionista), pelo Banco de Angola, a taxas de juro «oficiais», traduziu-se num fiasco: conforme se pode constatar em balanço hoje publicado, a adesão foi de menos de 0,9%, apesar de uma intensa campanha, conduzida recorrendo a canais sociais «informais». Transcreve-se parte de um desses «anúncios», o qual, nos dias que correm, com os angolanos a passarem dificuldades, chega a ser pornográfico:

«Caros amigos/a

Aqui vai uma dica que pode vos ajudar a fazer dinheiro. Proteja-se contra o risco cambial, tendo em conta o momento atual que a nossa economia vive. Depois não digam que o nosso Kamba das Finanças não nos deu o toque, eu como financeiro que sou, faço isso e não custa nada, tu também podes fazer o mesmo, são segredos de como muitos de nós multiplicamos rapidamente as nossas poupanças sem nos maçar ou nos metermos em negócios que muitas das vezes não dá certo e acabamos de perder o dinheiro e a paciência! Queres ter um dinheiro extra para acelerar o pagamento do teu credito habitacional? Queres pagar a tua Universidade ou a do teu filho? Gostarias de ter um BMW ou Range Rover (Tubarão)? Pois é meus amigos, como economista isso é o que eu faço para ter mais kumbu! Ali vai a dica: 

Meu amigo, invista agora em Títulos do Tesouro de Angola. Contacte o seu Banco ou o BNA.»

O problema é geral, não só de Angola e não se prende apenas com a dependência económica do petróleo, mas precisamente com outra grande dependência maior: a mentalidade estupidamente consumista, localmente cultivada pelo poder e suas «elites», na qual as pessoas se colocam ao serviço do dinheiro (em busca de símbolos de ostentação e sinais de poder). O dinheiro, em si, não é uma coisa má, servindo para facilitar as trocas e desenvolver a economia, mas deve ser encarado como estando ao serviço das pessoas, e não o contrário, pois nesse caso torna-se completamente alienante! Não matem a galinha! Para contextualizar este assunto, escrevi há bem pouco tempo um artigo aqui neste blog.

[Já um montante, de cerca de um sexto do valor dos BT, mas em Obrigações do Tesouro, foi inteiramente absorvido, permitindo suspeitar que a motivação do «diferencial» de procura (não se justificando por maior «obrigação» do Estado ou por taxas de juro mais atraentes, e implicando, para além disso, um prazo maior de imobilização) se poderá atribuir à distribuição pro rata de «senhas» para dólares ou a qualquer género de «facilidade» associada - de forma «casuística» e «conjuntural», claro, mas nada abonatória da transparência e equidade do sistema financeiro. Concluindo com um bom conselho: na aquisição de bilhetes, certifique-se que são de ida e volta, cuidado com os vendedores de banha da cobra, senão arrisca-se a ir para o buraco]

domingo, 15 de fevereiro de 2015

Sol sem peneiras

O Sol, semanário de referência por terras angolanas, destapa na sua última edição, o «buraco negro» monetário que (embora de forma não tão «misteriosa» como sugeriram há dias no mesmo jornal) induziu a inflacção galopante da última semana, sob o esclarecedor título «Produtos importados estão a desaparecer das prateleiras».

Os supermercados de Luanda estão já a ficar vazios de produtos alimentares importados e as prateleiras não são repostas. Os importadores dão indicações de que os stocks estão a acabar. Também nos mercados informais, os preços dos produtos estão a subir em flecha, chegando a registar aumentos de 100% (ou mais, nalguns exemplos apresentados, nada que não se soubesse já, aliás, ridicularizando as previsões de 7 a 9% de inflacção anual divulgadas por ocasião da aprovação do OGE rectificativo, a semana passada... qual a credibilidade de um governo cujas estimativas para o ano inteiro são ultrapassadas - mais de 10 vezes mais - em apenas uma semana?).

Todos os actores económicos parecem estar empenhados em antecipar, livrando-se dos seus activos tóxicos (kwanzas) em troca de qualquer produto (cujos juros são claramente superiores aos do Banco de Angola - seria, aliás, interessante, saber como está a correr a colocação de Títulos do Tesouro, esboçada há uns dias... as pessoas não são burras! é que nem a 1000%!), que (ainda) exista no mercado a preço mais ou menos «antigo» ou «oficial».

Pelo andar da carruagem, a economia formal irá parar, por falta de «combustível». As autoridades monetárias perderam o controlo da situação, ao deixarem o «gap» formal/informal avolumar-se para mais do dobro e permitirem ao «sistema» embalar. Será agora muito difícil desacelerar: qualquer tentativa de travagem poderá bloquear as rodas e surtir o efeito contrário.

Tal como em qualquer doença, o diagnóstico precoce é uma das melhores armas. Adiar a ida ao médico, deixando apodrecer a ferida, pode revelar-se fatal. Para a crónica de uma falência anunciada, basta ler o que foi sendo publicado neste blog ao longo das duas últimas semanas. Quem souber prestar atenção, conseguirá ouvir o crescente clamor das trompas fúnebres, entoando o requiem pelo regime, que se desmorona como um baralho de cartas. Isso mesmo traduziu Orlando Castro, na Folha 8, com um esclarecedor «Até um dia» (destes), despedindo-se do «camarada» Presidente.

sábado, 14 de fevereiro de 2015

Namoro ou assédio?

Hoje é dia de São Valentim...

 _Por favor, não mande mais Rosas,
agora que não tem mais dólar.

Decretos em dia de azar

José Eduardo dos Santos procedeu a uma série de exonerações e de nomeações datadas de Sexta-Feira 13. Numa «chicotada psicológica» (aliás, em plena contradição com o comunicado do Comité Monetário do mesmo dia, para o qual «não se passava nada»), são demitidos dois vice-governadores do Banco de Angola, António André Lopes e Ricardo de Abreu, imolados como bodes expiatórios da actual crise do Kwanza, decerto por não se mostrarem suficientemente entusiastas das orientações superiores para a condução conjuntural da política monetária.

Na mesma série de decretos, é nomeado para o cargo de embaixador extraordinário e plenipotenciário de Angola na República da Guiné-Bissau, Daniel António Rosa, um alto funcionário dos Serviços Secretos. De Espião a Embaixador? Curiosa carreira diplomática... Qual das duas vocações prevalecerá?


[o agora Senhor Embaixador é considerado um «artista» na «extracção» de informações, sendo delicadamente alcunhado de «alicate de gema», numa analogia com o instrumento de precisão para o arranjo de pedras preciosas]

Como tem sido hábito, é através de decretos deste género que o Presidente angolano costuma «ajustar» a sua governação, regra geral, antes de se deslocar ao estrangeiro. Não será pois de estranhar que José Eduardo dos Santos venha a ser acometido, nos próximos dias, de algum azar, a necessitar de cuidados urgentes no exterior.

S&P desclassifica Angola

A Agência de notação de crédito Standard & Poor's, ciosa da sua reputação, degradou Angola esta Sexta-Feira, revendo em baixa o seu rating, criticando, por contraproducentes, as medidas restritivas adoptadas relativamente ao câmbio.

«A S&P também espera uma deterioração do ambiente económico e na política monetária (...) Acreditamos que expatriar capitais se tornou muito mais difícil, com o Banco Nacional de Angola a impor medidas restritivas. Notamos que a taxa de câmbio paralela é [era, há dois ou três dias] 30% mais fraca que a taxa oficial, e que há notícias de longas filas para obter um câmbio mais favorável; estas medidas pouco ortodoxas vão minar a confiança no setor empresarial e deprimir o investimento, concluem os analistas.»

Os sinais de alarme vão-se multiplicando rapidamente... Conferir notícia.

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2015

Autismo monetário

O output da reunião extraordinária do Comité de Política Monetária foi decepcionante: limita-se o referido Comité, perante o avolumar das evidências de descontrolo monetário, a fazer copy/paste dos números constantes no OGE, papagueados sem sentido nem convicção, rematados pela convocação do mesmo Comité (ordinariamente, presuma-se) para daqui a quinze dias, dando um ar de aparente «normalidade».

«(...) tem como principais indicadores de sustentabilidade macroeconómica a preservação da taxa de crescimento real do Produto Interno Bruto (PIB) em 6,6%, a manutenção da taxa de inflação dentro do intervalo 7%-9% e do nível de reservas internacionais brutas em torno dos 6 meses de importação. [inflacção entre 7 e 9%? mesmo que fosse ao mês, estaria sub-estimada]

(...) O Comité de Política Monetária reafirma o seu compromisso de utilizar os instrumentos adequados para garantir a estabilidade dos preços na economia.» [a estabilidade dos preços? sim, mas só se forem medidos em dólares]

O referido Comité, tornando-se um instrumento de propaganda política, desacredita ainda mais o sistema, perdendo qualquer credibilidade que lhe restasse. É óbvio que ninguém gosta de ver cair por terra o trabalho de mais de uma década, em poucos dias. No entanto, a melhor opção não parece ser a política da avestruz, pois pode fazer... Truz.

Câmbio do Kwanza

O filme dos últimos sete dias (úteis): os Kwanzas necessários para comprar um dólar. A linha a azul, se quiser mesmo comprar o dólar; se optar pelo câmbio representado pela linha a vermelho, é favor tirar a senha, mas tenha em atenção que há uma forte fila, o melhor é esperar sentado.

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

Crise de negação

O Kwanza, que chegou a ser considerada a pior moeda do mundo, valendo pouco mais do que o papel (para reciclar), estabilizou, após o fim da guerra civil. A paz e um ciclo de valorização do petróleo permitiram controlar a política monetária e até conseguir uma apreciação do Kwanza, que se manteve estável, mesmo no auge da crise financeira mundial, em 2008: tinha, por esses anos, atingido o seu máximo histórico de 75 por dólar americano. Isso foi conseguido graças a um estrito controlo da circulação monetária: a óbvia falta de confiança na economia do país (e claro, no valor da sua moeda) sendo suportada por uma política monetária de «credibilização» consistindo, pura e simplesmente, na fixação de um câmbio, um patamar estável, injectando divisas para absorver o «excedente» interno (compras de Kwanzas, em dólares, pelo Banco de Angola).

Ao fazê-lo, a moeda ficou óbvia e inteiramente exposta à cotação do petróleo, fonte quase exclusiva do maná que permitia manter o sistema em funcionamento. A quebra a que assistimos no último trimestre do ano de 2014, no petróleo, esvaziou esses recursos, à disposição do regime. Este, continuou a aplicar as suas reservas, na expectativa de uma recuperação da cotação, que não aconteceu. O ponto de «não retorno» foi atingido em princípios de Dezembro, quando desceu abaixo do custo de produção do país, como assinalei, por essa altura, aqui neste blog. Não apenas a cotação não recuperava, pior, afundava-se para mínimos históricos em décadas. Todas as reservas que o ditador possuía (sim, que não se deve falar propriamente de «Angola», mas do «negócio» familiar em que este a transformou) se esgotaram a um ritmo alucinante (e não são relatórios financeiros muito bem apresentados, com testes de stress e tudo! - mas com metodologias opacas - que o podem camuflar). Evidentemente que o calcanhar de Aquiles do Sistema Financeiro Angolano está nessa «válvula».

A nota de imprensa do Banco de Angola, datada do passado dia 9 de Fevereiro (a que já aqui nos tínhamos referido, como de exercício de «diabolização» do mercado e tentativa de arranjar bodes expiatórios para arcar com as responsabilidades da crise), agora retomada pela VOA para um artigo «inflaccionista», é por isso completamente hipócrita, sendo mais um «enfiar» da carapuça: os bancos angolanos sempre contaram com «o ovo no cu da galinha», ou seja, com um acesso ilimitado às divisas em moeda estrangeira ao câmbio «oficial» (ou artificial?). Esse achatamento cambial (por cima - note-se que a moeda nunca se valorizou «espontaneamente», nem que por breves espaços de tempo) fez o inequívoco sucesso da estabilidade do Kwanza face ao dólar nos últimos dez anos; mas fechar essa torneira tornar-se-ia rapidamente um desastre, como está a acontecer. E não vale a pena tentar tapar o sol com a peneira. Para além da negação dos factos, igualmente hipócrita, neste contexto, é a suposta «liberalização» da actividade cambial, «permitindo» aos bancos comprarem dólares no exterior: sim, mas a troco de quê? Kwanzas?

A realidade está a tratar de esclarecer o Presidente de Angola que a negação não é a melhor forma de lidar com as situações. Quem pela espada vive, pela espada morre. José Eduardo dos Santos abusou do poder que o dinheiro lhe conferia. Agora, na falta dele, terá decerto oportunidade para expiar as suas graves responsabilidades nessa situação. Não se venha queixar dos especuladores, pois estes apenas estão cá para o trazer de volta à realidade (não fossem estes exímios especialistas em dissonância cognitiva).

Sem dinheiro, não há palhaços.

A cotação informal, segundo a insuspeita VOA, já vai nos 180 por 1. A negação apenas vai acelerar a dilatação da bolha. O salto instantâneo, no gráfico do par cambial, será drástico, uma vez que a amplitude entre a realidade e a «versão oficial» está a cavar-se a cada dia que passa. Até onde está José Eduardo dos Santos disposto a prolongar a farsa? Talvez esteja a esticar a corda da paciência dos angolanos. E não são palhaçadas de afirmação pessoal ou patéticos apelos «à unidade» que mudarão o que quer que seja.

Se, há algum tempo atrás, ainda teria sido possível tentar «cavalgar» a onda, aliviando a cotação para poupar os últimos dólares, isso já não é possível e face ao grande estouro que se prepara, resta, ao Banco de Angola, tentar ultrapassar pela esquerda os especuladores, alimentando a sua insaciável voracidade imprimindo «vales» (que só valerão, claro, se o petróleo subir - rapidamente - para cima da fasquia dos $70 por barril), fazendo rolar a impressora (a última «liberdade» que resta ao Kwanza).

terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

Caixa de Pandora

Os males, como se sabe, são bastante rápidos a esvaziar a caixa... Se não houverem restrições encapotadas à liquidez e liberdade de câmbio, a insustentável leveza da moeda angolana deve sofrer uma forte correcção em baixa ao longo do resto da semana.

Aos comerciantes, recomenda-se que abandonem o FIFO e adoptem o NIFO, como sistema de contabilização e valorização de existências.